16/12/2018 (75) 99274-4456

Geral

Ifarma

Uma das últimas fotos de Machado de Assis é encontrada na Argentina

Retrato do autor de 'Dom Casmurro' foi publicado por revista argentina em janeiro de 1908, oito meses antes de ele morrer. '

Por Portal TNews 29/06/2018 às 08:21:36

De traje formal, casaca inclusive, o senhor de barba e cabelos brancos coloca a mão esquerda na cintura e olha meio de lado para a câmera através dos óculos pincenê. É Machado de Assis aos 68 anos.

Publicada originalmente em 25 de janeiro de 1908 da revista semanal argentina "Caras y Caretas", a foto do escritor acaba de ser redescoberta pelo pesquisador independente Felipe Pereira Rissato.

De acordo com o Rissato, o retrato até hoje era desconhecido e é possivelmente o último do autor. "Certamente é dos três meses finais de 1907 ou mesmo de janeiro de 1908", afirma o pesquisador ao G1. Machado de Assis morreu 29 de setembro de 1908, aos 69 anos.

O registro foi encontrado na Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional de España, disponível on-line.

"Esta passa a ser a sua última fotografia feita em vida. Enquanto que a imagem que ocupava essa posição era a do escritor sendo acometido pelo ataque epilético, na qual não é possível sequer ver seu rosto", diz o pesquisador.

"Ademais, temos Machado de corpo inteiro e sozinho, algo que até então só havia sido observado em dois retratos de sua primeira sessão fotográfica, feita aos 25 anos (1864) no estúdio de Insley Pacheco, e mesmo assim, sentado. Mais tarde, acreditava-se que as lentes somente teriam capturado Machado de corpo inteiro rodeado por amigos."

Para Rissato, "o que pode ter contribuído para que a imagem de Machado ora apresentada não tivesse sido referenciada anteriormente é o fato de sua publicação em revista estrangeira, a exemplo de uma imagem dele aos 61 anos, publicada na revista 'Brasil-Portugal', de Lisboa, em 1900 e descoberta em 2016".

Há dois anos, o mesmo pesquisador havia encontrado a única imagem de Machado de Assis presidindo uma sessão da Academia Brasileira de Letras (ABL), feita em 1905.




A foto do ataque epilético


Há oficialmente 38 registros catalogados do autor de "Memórias póstumas de Brás Cubas" e "Dom Casmurro". O conjunto apareceu reunido pela primeira vez em dezembro de 2016 na "Revista Brasileira", publicação da ABL.

Naquela edição, Rissato escreveu o ensaio "Iconografia fotográfica de Machado de Assis", no qual explicava que a última foto de Machado de Assis datava de 1º setembro de 1907.

Mas, daquela imagem, dá ver muito pouco de Machado de Assis - apenas a parte de trás da cabeça.

Ele está sentado num banco da Praça XV, no Rio, e é amparado por um homem. Um segundo sujeito parece abaná-lo, vários outros observam. O escritor tinha acabado de sofrer um ataque epilético.

"O Dr. Maxado (sic) de Assis acometido de uma sínciope no cais de Pharoux", escreveu o fotógrafo Augusto Malta na identificação.



'Machado: homem público do Brasil'

O Machado de Assis que vemos na foto agora reencontrada é outro: está de corpo inteiro e posa num jardim.

O retrato saiu em uma matéria de página e meia na "Caras y Caretas" número 486. O título era "Homens públicos do Brasil".

A revista argentina dá pouquíssima informação sobre o registro. Lê-se somente a seguinte legenda: "El escritor Machado de Assis presidente de la Academia de la Lengua Brasileña".

Não há qualquer indicação sobre a ocasião em que a foto foi feita.

"Vale lembrar que Machado, como homem público, comumente participava de banquetes", lembra Felipe Pereira Rissato.

O pesquisador, então, cita três eventos do período aos quais Machado de Assis comprovadamente compareceu, dizendo que a imagem deve ter sido registrada em algum deles:

o banquete oferecido pela ABL ao historiador italiano Guglielmo Ferrero, em 31 de outubro de 1907 no Alexandra Hotel;

o almoço oferecido pela Câmara dos Deputados aos políticos Carlos Peixoto e James Darcy, na Associação Comercial do Rio de Janeiro, em 29 de dezembro de 1907;

o banquete oferecido pelo Ministério das Relações Exteriores à esquadra da Marinha norte-americana, no Palácio Monroe, em 20 de janeiro de 1908, cinco dias antes da publicação daquela edição de "Caras y Caretas".

Rissato também afirma que uma das imagens que aparecem ao lado da foto de Machado na revista argentina mostra o engenheiro Paulo de Frontin logo após ele ter voltado da Europa.

"Pesquisei, o regresso dele se deu no dia 9 de dezembro de 1907. Ou seja, um mês e meio depois a revista estampou a imagem. Com Machado foi uma pena a revista não ter contextualizado a ocasião em que foi feita."

Rissato comenta que "Machado teve intensa atividade até o fim da vida".

"Mesmo após a morte de sua esposa Carolina, em 1904, sua companheira de 35 anos e que muito o abatera, o escritor, embora profundamente golpeado aos 65 anos, continuou trabalhando como diretor-geral do Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas e participava ativamente das sessões da ABL, por ele presidida, tomando parte em inúmeros banquetes e eventos sociais da elite carioca."


'Machado mais abatido'

Rissato conta que chegou a cogitar a possibilidade de a fotografia que acaba de encontrar ser na verdade um registro desconhecido de uma sessão feita durante um almoço de 8 de setembro de 1906 oferecido pelo prefeito Pereira Passos ao ministro plenipotenciário da Colômbia, Rafael Uribe.

No evento, foram feitas fotos no jardim do Clube dos Diários (Cassino Fluminense). Aquelas em que Machado de Assis aparece já eram conhecidas.


"Mas a foto que saiu na 'Caras y Caretas' não foi feita na mesma ocasião. Machado está com roupa diferente, gravata diferente. E ele está mais velho do que em 1906. Nesta de 1908, ele já está um pouco mais debilitado."

Para atestar que o Machado de Assis da imagem agora encontrada está mesmo mais velho do que aquele de sessões anteriores, Rissato recorreu ainda à última fotografia do escritor feita em estúdio, de autoria de L[uiz] Musso & Cia., em fevereiro de 1907.


Fonte: G1

comentários