16/12/2018 (75) 99274-4456

Brasil

Ifarma

Famílias têm mais fôlego para gastar, mas retomada do consumo deve ser lenta

Brasileiros ficam sem disposição para consumir diante de incerteza com quadro eleitoral

Por Portal TNews 03/07/2018 às 08:40:28

As famílias conseguiram ajustar o seu orçamento, mas esse alívio não deve se traduzir num ganho de fôlego para o consumo. Ao contrário. Por ora, o cenário traçado pelos economistas para os gastos dos brasileiros é cada vez mais fraco diante das incertezas que pairam na economia.

Os analistas ainda esperam um avanço do consumo, mas menor do que previsto no início do ano. As primeiras projeções apontavam para uma alta superior a 3,5%, mas hoje parte dos economistas acredita num crescimento de apenas 2,5% e há possibilidade de essa previsão recuar ainda mais.

O ajuste no orçamento das famílias fica evidente quando se analisa o comprometimento delas com compromissos financeiros. Em 2018, esse comprometimento vai recuar para 25,5%, segundo projeção da Tendências Consultoria Integrada. Será o segundo ano seguido de queda. Ou seja, as famílias terão mais dinheiro disponível para gastar do que tinham em 2016, por exemplo.


Comprometimento da renda

"O que está fora do lugar é a questão da confiança. O ambiente está contaminado. Há pouca clareza de como o Brasil vai ser conduzido a partir do próximo ano e isso atrapalha muito", diz o economista da Tendências Adriano Pitoli.

São vários fatores que explicam o desempenho mais modesto do consumo: o mercado de trabalho não se recuperou como esperado, há uma elevada incerteza com o futuro da economia por causa quadro eleitoral e a recente greve dos caminhoneiros tirou parte do humor dos consumidores.


População desempregada

O publicitário Lucas Elias Oliveira, de 31 anos, é um dos consumidores que estão cautelosos. Ele decidiu economizar na conta de energia e parou de usar o chuveiro elétrico. Hoje, toma banho frio. "Desliguei o chuveiro e a conta caiu pela metade", afirma. "Moro no interior, em Ribeirão Preto, onde faz mais calor, então lá é possível tomar banho frio."


Confiança estagnada

Os últimos números da confiança do consumidor corroboram esse quadro de fraqueza e de dificuldade de retomada.

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), medido pelo Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), recuou para 82,1 pontos em junho, menor nível desde agosto de 2017. A pesquisa captou tanto uma piora na percepção atual como nas expectativas, ou seja, com o futuro da economia brasileira.

"O consumidor está cauteloso porque está reduzindo o otimismo em relação ao mercado de trabalho, que é essencial para recompor o orçamento doméstico e reequilibrar as contas familiares. E tem ainda a incerteza eleitoral", diz a economista do Ibre/FGV Viviane Seda.


Índice de Confiança do Consumidor

O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec), apurado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra um cenário parecido. O indicador está estável desde outubro do ano passado. Em maio, na última medição, marcou 102,2 pontos e permaneceu abaixo da média histórica (107,8 pontos).

"O patamar atual do Inec não dá suporte para a retomada do consumo. No fim do ano passado, a gente acreditava num cenário com melhores notícias", afirma o economista da CNI Marcelo Azevedo.


Consumidor pesquisa para economizar

Nesse cenário de lenta retomada, o consumidor tem optado por tamanhos menores de produtos e marcas mais baratas para economizar.

No primeiro trimestre deste ano, por exemplo, o volume médio de unidades compradas cresceu 3% na comparação com o mesmo período de 2017, mas o gasto médio recuou 0,9% no período, segundo pesquisa da Kantar Worldpanel.

"O consumidor está buscando marcas mais acessíveis, olhando para as promoções", afirma o diretor comercial da Kantar Worldpanel, David Fiss.

Desempregada há dois anos desde que fechou uma oficina mecânica, a técnica em administração Andrea Luiza, de 42 anos, passou a comprar produtos menores nos supermercados e reduziu os gastos do lazer para equilibrar o orçamento. O marido também ficou sem emprego, mas conseguiu uma recolocação como mecânico. Hoje, ganha metade do que recebia antes.

"Agora fazemos compra picada e só nos locais em que há promoção", afirma. "Cortei lazer também, só saímos se for um aniversário muito importante. Procuramos economizar até no combustível."


Fonte: G1

comentários